domingo, 14 de dezembro de 2008

1º de Dezembro, passado de forma diferente



Ora bem, nem sei como começar. Indo eu, indo eu ..... parece uma das canções que cantávamos no recreio do Colégio, bons tempos .... mas deixemos a nostalgia para outros dias em que a chuva, o vento e a má disposição ataca, e concentremos-nos em rir, sorrir, abrir a boca de espanto, e pensar que isto é dos apanhados, mas não é. Apanhada fui eu de espanto e surpresa, quando há uns dias atrás me desloquei com a minha irmã a uma Instituição de Saúde desta nossa bela cidade á beira rio plantada.
Espanto por várias coisas, realmente a Instituição de que me refiro, graças ao Ser Superior a mim, não me leva para esses lados, nhoc, nhoc, nhoc, três vezes na madeira da secretária, é uma Instituição virada para grávidas, mas não só, também para urgências das partes genitais das Senhoras, mesmo sem estar grávidas, como era o caso da minha irmã.

Logo ao entrar, deparei-me com um átrio de espera repleto de gente, grávidas já com barriga de final, quase prontas a parir ali, pais, avós, tios, sogros, primos, enfim um recheio de familiares transbordando ramos de flores, pois estava quase na hora da visita, há esqueci-me de dizer que tudo isto se passou no feriado do dia 1 de Dezembro, chovia e a humidade ainda fazia que o cheiro que nem consigo descrever se era bom ou mau, mas era diferente, pois concentrava perfume dos chineses, com chanel 5, suor sem sanex e passo a publicidade, com suor disfarçado de Nivea duo passo a publicidade, aquela mistura agravada com a humidade que transbordava dos kispos e botas a chapeis de chuva, agravava em muito o ambiente que já por si era sui-generis, pois nunca imaginei que num pequeno átrio pudesse haver tanta disparidade de coisas ao mesmo tempo, desde a máquina do café que não dava trocos, desde a máquina dos chocolates que fazia a delicia das crianças e a birra dos pais, pois o dinheiro é tão pouco que qualquer máquina cheira logo a roubo e desfalque, a tentativa infrutífera de uma jovem mãe que tentava a todo o custo manter quietas as suas irrequietas criancinhas que a bem da verdade a educação tinha passado ao lado, não passou ao meu pois quando dei por mim, tinha os atacadores das sapatilhas da jovem mãe atados ás minhas botas, eu não sabia se havia de rir ou se dar uma bofetada no petiz, que ria a bandeiras despregadas pois se a mãe se levantava para lhe bater, quem ia bater com o traseiro no chão era eu, que fazer?????? Sorri amareladamente, e tentei desapertar rapidamente os atacadores e só pedia que a minha irmã se despachasse pois eu ainda teria que ir a uma Instituição hospitalar, pedir com urgência uma injecção para me acalmar.

Para me livrar do petiz, que por coincidência era mesmo feio, tinha ar de baby bad boy, cabelo preto espetado, posição preferida: deitado no chão a fazer de esfregona, e eu que tenho tanta paciência para este tipo de criancinhas, que só pensava, valha-me São Expedito que mal fiz eu de tão grave, para gozar o meu feriado assim ......Então levantei-me e perguntei ao Segurança onde eram os WC, claro mais um sorriso amarelo, onde era o quê?????? As casas de banho, respondi eu alto e bom som, ah sim, vai pela direita e ao fundo volta á esquerda. Chiça, rico gps.

Lá descobri o WC, que era um misto agradável de WC com quarto de arrumação, entre baldes, esfregonas, montes de caixotes, lá estava a magnifica sanita, branca ao menos para não dar um ar de diferença a todos os WC e um lavatório para lavar as mãozinhas pois o WC era misto, claro que com uma fechadura por dentro para se saber que estava ocupado. Eu até sou daquelas pessoas que estou sempre a dizer que não entendo porque é que tem que haver WC para Homens e WC para Senhoras??? Agora até já nem se usa o mictório ......, enfim modas.

"Um aparte de que me lembrei agora e como estou bem disposta até o vou descrever, um dia há muitos anos atrás, teria o meu filho cerca de 3 a 4 anos, quis ir a um WC para Homens, e eu achei que ele queria ser Homem e como tal deixei-o ir, ficando eu perto da porta de entrada do WC masculino, como a criança demorou tanto, aproximei-me da porta e chamei-o, e ele respondeu com a sua calma inata, já vou mamã. Bom como ele falou normalmente eu fiquei descansada. Passado um bom bocado lá apareceu a minha criança com um ar bastante mal humorado, ele por natureza, não se ria por tudo ou por nada, mas quando se ria, era porque ele tinha achado graça, e o rir dele era contagiante, fazia rir todas as pessoas à sua volta só por vê-lo rir, mas ele vinha com um ar muito chateado, e dando-me a mão fez tensão para continuarmos a nossa caminhada, porque o meu petiz era e, é parco em palavras, não gosta de gastar muito o seu latim, mas eu parei e perguntei-lhe porque estava com aquela cara, alguém lhe tinha feito mal, alguém ralhou com ele, ao que ele respondeu simplesmente que ainda não chegava ao sitio onde os Senhores faziam chichi e que teve que fazer na sanita, o que queria dizer que ainda tinha que crescer mais para ir ao WC dos Senhores, e lá continuamos, eu a imaginar ele a esticar-se todo para que o seu pénis chegasse ao mictório e os saltitos que ele teria dado, até que aflito rendeu-se ás evidências e continuou a usar a sanita, pois ao menos aí chegava de certeza".

Fechada a porta do WC ou casa de banho, depois de puxar calças para baixo, ficar na triste posição de pernas flectidas, olho para a porta e fiquei a ler o que estava escrito numa folha de papel A4 metido numa mica transparente e colado com fita-cola, fiquei de tal modo absorta que nem sabia se o xixi já tinha saído ou se a minha gargalhada se tinha ouvido cá fora. Como não abandono a minha pequenina máquina de fotos, acabei o xixi, e tirei a máquina da carteira e "tiro" a foto, não é publicidade pois não digo o nome da Instituição, mas que para os apanhados dava uma boa foto há isso não duvido, mas como não estou interessada, prefiro colocá-la aqui num post.

Foi o melhor da tarde, até achei alguma graça ao baby bad boy, quando "roubou"umas bolachas a uma senhora que ficou com uma cara que dava medo.

E as grávidas, lá continuavam no seu trabalho de parto sentadas de esguelha, sem posição naquelas cadeiras de plástico, qualidade de vida.........,

Bom viva a Independência, viva o 1º de Dezembro, viva as instituições de saúde, viva eu ..........


Ana


6 comentários:

ProsasVadias disse...

Viva o 1 de Janeiro, o 2 de Maio e o 15 de Setembro. Viva!!!

ProsasVadias disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Viva o Prosas Vadias, Viva o 29 de Fevereiro de xis em xis anos, e quem sabe talvez o 31 de Abril, Viva, Viva, Viva. Mas afinal tanto viva para quê?????
Bem vindo Senhor Prosas Vadias, gozando como sempre, mas lembre-se, de que quem goza por último é quem têm melhor gozo, não vai para freira não.
Abelhaferrona

ProsasVadias disse...

Tou brincandu cúmadre. Olhe que o Fagundes ainda por aqui aparece, olhe que WC's é com ele.:-)

Anónimo disse...

Olhe deixe o su cumpadre fagundes em paz, que o magano anda farto de trabalhar, está sempre com a taleiga às costas tadito, e nem tem ovelhas que cheguem e agora com aquela cosa das dioxinas lá se foram os porcos, o home teve que se dedicar aquela cosa da biologica.
Tá cansado de ler sobre se cultiva a cosa biologica mas ele ainda nem a viu.
Portanto na goze cum ele. vá gozar cum outro. Não vai para freira não.
Abelhaferrona

JP disse...

Epa... VIVA O 25 DE ABRIL!!! :-)
Gostei de ler...
BOM ANO!!!